Menu Principal

Como ter fios fortes e saudáveis?

O desejo de toda mulher é ter fios sedosos e brilhantes. Para entender o processo da origem dos fios fortes e saudáveis é fundamental saber como funciona o couro cabeludo. A dermatologista e consultora de beleza da Condor, Luciana Maluf explica como conquistar esse objetivo no momento do cuidado com as madeixas.

O couro cabeludo desempenha funções importantes para o organismo. Entre elas, proteção imunológica (defesa orgânica), isolamento térmico, secreção de oleosidade e transpiração. O couro cabeludo é ainda uma região altamente vascularizada com pouca concentração de melanina e grande densidade de glândulas sudoríparas e sebáceas.

As glândulas sebáceas tem a missão de produzir lipídeos, oleosidade composta por triglicerídeos, ácidos graxos, esqualeno e colesterol e são responsáveis por impermeabilizar o couro cabeludo e deixar os fios macios, flexíveis e brilhantes. Já a função das glândulas sudoríparas é dar origem ao suor que assegura o equilíbrio térmico e elimina as toxinas do metabolismo celular.

Certos fatores climáticos como a poluição, a radiação solar e o vento aliados a procedimentos químicos e térmicos e às alterações emocionais, hormonais e nutricionais influenciam diretamente no funcionamento correto das glândulas do couro cabeludo.

“Outro fator prejudicial é o excesso de procedimentos e produtos que, por sua vez, causam suor e oleosidade em demasia, aumenta a irritabilidade e estimula o surgimento da caspa (dermatite seborréica)”, alerta a doutora Luciana Maluf, dermatologista e consultora de beleza da Condor.

Cada fio (haste) de cabelo é formado em um folículo piloso composto por bulbo capilar (de onde surge um ou novos fios), glândula sebácea que proporciona lubrificação e condicionamento ao pelo e por um pequeno músculo eretor que direciona o eixo do cabelo causando a sensação de fios em pé e arrepios na pele.

Com o passar do tempo, o corpo sofre com as alterações causadas pelo envelhecimento e as madeixas também são afetadas. As ocorrências mais comuns são o afinamento do fio e a queda. “Aproximadamente 30 milhões de mulheres vão passar por essa situação em algum momento da vida. Em alguns casos, a perda está ligada diretamente a genética, mas também pode ser ocasionada por estresse emocional ou orgânico, dieta, por algumas doenças, por uso de medicamentos, pelo tabagismo, por sono crônico de baixa qualidade, por excesso de procedimentos químicos e até por conta do exagero na manipulação do cabelo em penteados que causam tração e podem levar ao enfraquecimento ou queda dos cabelos. Felizmente, existem diversas opções disponíveis para obter novamente um cabelo saudável a partir do ciclo natural de crescimento”, enfatiza Luciana.

Cada folículo do couro cabeludo passa por três ciclos regulares de crescimento e queda que se repetem continuamente: Anágena (fase de crescimento) conta com intensa proliferação celular da matriz ativada pelas células-tronco. Durante essa fase o cabelo cresce incessantemente. O ciclo dura em média de três a sete anos e representa 90% dos fios capilares. A Catágena (fase de transição) é curta e dura de duas a quatro semanas. Neste período, o folículo se torna inativo, regride e se prepara para um novo crescimento. Além disso, produz células germinativas, produtoras de novos fios de cabelo e representa 1% das madeixas. A última etapa é a Telógena (fase de descanso) e que dura de quatro a seis meses. O fio se solta da raiz do folículo e cai do couro cabeludo, dando início ao ciclo novamente. Nove por cento dos fios estão nessa fase.


Estrutura e composição do fio capilar

A fibra capilar é dividida em duas partes: a raiz e a haste, porção que emerge do couro cabeludo e se projeta da superfície da pele. Sua composição é complexa e contém alfa-queratina (insolúvel em água) que pode corresponder de 65% a 95% da sua massa. A haste conta também com alguns aminoácidos como cisteína que auxilia na formação das pontes de dissulfeto, responsável pela característica lisa, ondulada ou cacheada dos cabelos.

A haste da fibra capilar é a responsável por conferir brilho, corpo e textura ao cabelo. Porém, ao emergir da pele não existe na sua composição nenhuma célula viva. E, por este motivo, ela pode ser facilmente alterada, agredida e enfraquecida pelos fatores externos. A haste apresenta três estruturas principais: cutícula, córtex (representa em média 80% do fio) e medula (da parte externa a interna).

As madeixas são extremamente importantes na vida das mulheres e têm o poder de mudar a aparência física e a autoconfiança. “O cabelo humano é facilmente danificado por agentes externos e tratamentos térmicos, físicos e químicos como o sol, o aquecimento, a escovação, a descoloração e a coloração. Esses processos levam a um envelhecimento precoce dos fios. E não podemos esquecer ainda que temos o envelhecimento cronológico que ocorre com o passar dos anos, gerando mudanças que todas as mulheres detestam: pontas duplas, textura frágil, aparência opaca e áspera, branqueamento, diminuição da espessura, secura e fragilidade. Antes de realizar procedimentos químicos é importante lembrar que para manter a saúde dos fios é preciso consultar um especialista de confiança e avaliar quais serão as consequências”, ressalta a doutora Luciana Maluf.

Fonte: Porta Voz

Plaenge